Notícias

Espetáculo “Distrito Zero – Atentado ao Pudor”

2 Mins read

Espetáculo “Distrito Zero – Atentado ao Pudor”
SemNome CiaTeatro
Dias 08 e 09 de novembro
20 horas, Centro Cultural UFG
Ingressos: 20,00 (inteira)
Apoio: Lei Municipal de Incentivo à Cultura
Direção: Sandro Freitas
Com: Camila Magalhães, Cassio Neves e Norval Berbari
* última temporada em Goiânia
** GRÁTIS PARA FILIADOS A AOJUSGO (mediante apresentação da carteirinha/contracheque)

RELEASE:

Inconsciente Humano, Complexo de Édipo, Esquizofrenia, Surtos Psicóticos, Amor e Morte estão presentes em Distrito Zero.

Distrito Zero é a história de um sujeito em surto esquizofrênico. A construção da narrativa cênica se da a partir do dialogo dessa personagem consigo mesma. Desse dialogo é que a historia de Ricardo/Henrique vai sendo estruturada, por fragmentos que misturam delírio e realidade: A vida promíscua da mãe, A gravidez concebida de forma indesejada, os embates edipianos entre o filho e o pai, dependência química, etc.

É o inconsciente humano. Através dele que se adquirem as bases da personalidade, a capacidade de ação, o nível de emoção com o qual percebe a vida, a sua intuição e outras características do comportamento. Representação: A lógica da interpretação se processa por meio da ação interior e exterior de cada ator, que utiliza sua presença física e mental numa situação organizada de representação a fim de materializar a palavra, que ao nosso entender configura a personagem.

O fio condutor da encenação é o sujeito dividido, Fragmentado, bipartido em Henrique e Ricardo, por esta espécie de transe esquizofrênico é que a cena se constrói e as outras personagens vão sendo apresentadas ao público; a mãe, representada pela figura sensual da atriz no palco, se contrapondo com a figura grotesco/cômica do pai autoritário, Os dramas se misturam, se unem e se confundem, repletos de psicologismos; e para tanto é criado um ambiente neutro, propício para esta encenação.

Este ‘distrito zero’ ambientado por vários elementos desalinhados/oníricos inspirados em obras de René Magritte e no Céu no céu das obras de Salvador Dali, construindo simbolicamente um repositório de conteúdos que um dia estiveram na consciência e foram reprimidos.

O ‘distrito zero’ guarda potenciais profundos do ser, ainda não revelados: a luz e a sombra, o bem e o mal. De modo análogo, o figurino também é um mosaico de tendências, texturas e cores que revelam a nebulosidade da mente fragmentada do sujeito desse drama, representado na encenação pelos personagens Henrique e Ricardo.
A trilha sonora, sempre propícia para intensificar a dor interna das personas desmembradas na cena, ora funciona como uma punhalada no coração do espectador.

Direção: o princípio básico da direção de Sandro Freitas é do ator-autor que se caracteriza pela valorização da capacidade expressiva do atuante em contato com o fenômeno da expressão (corpo do ator) a fim de alcançar a verossimilhança necessária para a representação da cena.

É assim que se configura esta encenação, a todo instante revelando um elemento novo no palco e o drama de um homem que se monta, se desmonta, se remonta, se refaz e se desfaz até acabar.

Matérias relacionadas
CoronavírusNotíciasSTJ

STJ autoriza citação por WhatsApp desde que comprovada identidade

Há mais de um ano convivendo com a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) a rotina dos Oficiais e Oficialas de Justiça tem…
EventosNotíciasTJGO

Oficiais de Justiça são ouvidos pelo SINDOJUS-GO sobre projeto de reestruturação das comarcas

Você precisa iniciar uma sessão de usuário para visualizar esta página. Por favor, Faça login. Você ainda não possui uma conta de…
FESOJUSNotíciasVacinação

Vacinação prioritária: tudo o que você precisa saber!

Reprodução: FESOJUS-BR Veja aqui o vídeo da reunião citada no e-mail entre o interlocutor do Ministério da Saúde, Dr. Laurício Monteiro e os representantes da FESOJUS-BR, João Batista (presidente) e Luiz…
Inscreva-se no nosso informativo virtual

fique por dentro das novidades e receba nossa revista eletrônica mensal