EventosNotícias

Goiânia sediará o II Congresso Nacional dos Oficiais de Justiça

2 Mins read

O primeiro Congresso Nacional dos Oficiais de Justiça – I CONOJUS, aconteceu na última semana na cidade de Vitória, no Espírito Santo. Realizado pela Federação das Entidades Sindicais dos Oficiais de Justiça do Brasil – Fesojus, o evento contou com palestras e debates que discutiram os principais problemas da categoria em âmbito nacional. Mais de 200 oficiais de justiça participaram do evento. O presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça de Goiás, Moizés Bento ficou impressionado com a estrutura e qualidade das palestras ministradas no Congresso. ˜Foi enriquecedor trocar experiências com profissionais de praticamente todos os estados brasileiros. Percebemos o quanto podemos aprender e também ensinar aos colegas. Estamos ansiosos para o próximo congresso˜, explica Moizés que aproveitou para anunciar que Goiânia foi a cidade escolhida para sediar o próximo Congresso Nacional dos Oficiais de Justiça. Segundo o presidente da Fesojus, João Batista Fernandes, a ideia é realizar anualmente o CONOJUS em diferentes Estados e Regiões do Brasil, levando conhecimento e atualização jurídica aos oficiais de justiça de todo o País. “Com este evento, queremos garantir que todos tenham voz e possam ter o apoio de nossa entidade. Em 2019 estaremos em Goiás para termos mais um ciclo de palestras e troca de experiências”, esclarece. O evento Os participantes do I CONOJUS tiveram a oportunidade de ouvir o Procurador do Município de São Paulo, Kheyder Loyola sobre a busca de novas atribuições para o cargo de Oficial de Justiça face a virtualização processual. Já na palestra do Conselheiro do CNJ, Valdetário Andrade foi possível discutir sobre a possibilidade de padronização dos atos dos Oficiais de Justiça pelo CNJ e novas atribuições face a virtualização da justiça. ” Durante o encontro os palestrantes rebateram os comentários a cerca das perdas as atribuições dos oficiais diante da digitalização. Mas ressaltaram que o que se têm percebido é que os atos de comunicação podem diminuir, mas os atos executórios, que envolvem a humanização das decisões, jamais vão se extinguir. O judiciário tem que ver as pessoas, sentir as pessoas e o oficial de justiça é a porta de entrada”, finaliza o presidente do Sindojusgo. O vice-presidente do Sindojusgo, Eleandro Alves, o advogado, Gleidson Emanuel e o oficial de justiça, Edio Ferreira dos Santos também participaram

oConojus representando o estado de Goiás.

Matérias relacionadas
Notícias

Ricardo Luiz Nicoli é o novo diretor do Foro da Comarca de Goiânia

O juiz Ricardo Luiz Nicoli, titular do 3º juízo do 1º Núcleo de Justiça 4.0, foi empossado hoje, 2, como novo diretor…
Notícias

Agressor usava celular da vítima para pedir suspensão de medida protetiva

Um caso atípico serve de alerta para o Oficialato de Justiça no que diz respeito às comunicações por aplicativos de mensagens. Um…
CONOJUSNotícias

Comitiva visita presidente da OAB-PI

O presidente do Sindojus PI, Carlos Henrique Bezerra Sales; o presidente da Fesojus, dr. Eleandro Alves, o vice-presidente da CSB do Brasil,…
Inscreva-se no nosso informativo virtual

fique por dentro das novidades e receba nossa revista eletrônica mensal