Notícias

OFICIALA DE JUSTIÇA PARTICIPA DE TRIBUNAL DO JÚRI SIMULADO DURANTE O 39º CÍRCULO DO CONHECIMENTO

2 Mins read

A Oficiala de Justiça Bartira Uilani França de Almeida, da Comarca de Aparecida de Goiânia/GO participou do Tribunal do Júri Simulado do Centro Universitário UniCambury, apresentando aos acadêmicos e comunidade a importância do Júri e da função do Oficial de Justiça durante o 39º Círculo do Conhecimento, no dia 08/12/20.

Para acessar o vídeo do Tribunal do Júri Simulado da UniCambury clique em https://www.youtube.com/watch?v=47tvvGpGcOY

O Tribunal do Júri é composto por um juiz presidente e sete jurados que são sorteados para compor o Conselho de Sentença e que terão o encargo de afirmar ou negar a existência do fato criminoso atribuído a uma pessoa. A decisão do jurado, que deve ser imparcial, é de acordo com a sua consciência e justiça e não segundo a lei. Os jurados realizarão o julgamento ao responder quesitos, que são as perguntas que o presidente do júri faz aos jurados sobre o fato criminoso e demais circunstâncias essenciais ao julgamento. Eles decidem sobre a matéria de fato e se o acusado deve ser absolvido, respondeu aos quesitos sobre materialidade do crime (se o delito aconteceu), autoria (se o acusado cometeu o delito que lhe está sendo imputado), se o acusado deve ser absolvido, causas de diminuição da pena e atenuantes, causas de aumento e qualificadoras etc. O juiz presidente exerce várias funções na condução dos trabalhos do Júri, presidindo a sessão para que tudo transcorra em clima tranquilo, sem interferência indevida na atuação das partes. Antes da votação dos quesitos, cabe ao magistrado explicar aos jurados o significado de cada pergunta e prestar algum esclarecimento e depois os jurados dão o veredicto. Após, o juiz profere a sentença, declarando o réu inocente ou culpado, de acordo com a vontade popular, e aplica a lei penal ao caso. Dessa forma, o Tribunal do Júri significa um mecanismo do exercício da cidadania e demonstra a importância da democracia na sociedade. Isso porque o órgão permite ao cidadão ser julgado por seus semelhantes e, principalmente, por assegurar a participação popular direta nos julgamentos proferidos pelo Poder Judiciário.

O SINDOJUS-GO parabeniza a participação da Oficiala de Justiça que contribuiu no processo de formação de novos profissionais além de apresentar aos acadêmicos e comunidade um pouco sobre a nossa profissão. A educação e o processo de formação é uma das diretrizes mais importantes que acreditamos seguir.

Matérias relacionadas
CoronavírusNotíciasSTJ

STJ autoriza citação por WhatsApp desde que comprovada identidade

Há mais de um ano convivendo com a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) a rotina dos Oficiais e Oficialas de Justiça tem…
EventosNotíciasTJGO

Oficiais de Justiça são ouvidos pelo SINDOJUS-GO sobre projeto de reestruturação das comarcas

Você precisa iniciar uma sessão de usuário para visualizar esta página. Por favor, Faça login. Você ainda não possui uma conta de…
FESOJUSNotíciasVacinação

Vacinação prioritária: tudo o que você precisa saber!

Reprodução: FESOJUS-BR Veja aqui o vídeo da reunião citada no e-mail entre o interlocutor do Ministério da Saúde, Dr. Laurício Monteiro e os representantes da FESOJUS-BR, João Batista (presidente) e Luiz…
Inscreva-se no nosso informativo virtual

fique por dentro das novidades e receba nossa revista eletrônica mensal