Notícias

II Conojus recebeu mais de 350 oficiais de justiça estaduais e federais

3 Mins read

O II Congresso Nacional dos Oficiais de Justiça (Conojus) aconteceu nos dias 11 e 12 de abril e recebeu mais de 350 oficiais de justiça estaduais e federais, além de um representante da Federação da Argentina. O tema escolhido foi  “As inovações Tecnológicas e a Humanização na Função do Oficial de Justiça”.

O evento foi promovido pela Federação das Entidades Sindicais de Oficiais de Justiça do Brasil (Fesojus), pelo TJGO, Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado de Goiás (Sindojusgo) e Ejug. O congresso ocorre no momento em que as modificações trazidas pelo novo Código de Processo Civil (CPC) e a virtualização do processo demandam novos debates acerca das atribuições do cargo e das ferramentas tecnológicas postas a serviço do oficial de justiça, evidenciando uma realidade na qual o oficial de justiça foi colocado como auxiliar na execução da política pública de solução consensual de conflitos.

O presidente do Sindicato dos oficiais de Justiça de Goiás, Moizés Bento deu abertura ao evento e falou sobre a importância do congresso para a categoria. “Estamos diante de um cenário de profunda digitalização e inovação tecnológica. Essa modernização é de suma importância para dar celeridade aos processos. Em contrapartida, não podemos abrir mão do lado humano, de fazer a justiça chegar até o cidadão de maneira eficiente e única. O oficial de justiça é o canal que leva a justiça até o cidadão. Durante o congresso ficou claro que a modernização faz com que o lado humano se torne ainda mais importante”, explica Moizés.

Compuseram a mesa de abertura o juiz auxiliar da Presidência, Fabiano Abel de Aragão Fernandes representando o presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Walter Carlos Lemes, o desembargador Marcus da Costa Ferreira, diretor da Escola Judicial do TJGO (Ejug) e o juiz Donizete Martins de Oliveira, auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de Goiás (CGJGO), que representou o corregedor-geral, desembargador Kisleu Dias Maciel.

Palestras

Na quinta-feira (11), os participantes conferiram a palestra “As ferramentas tecnológicas disponíveis ao oficial de Justiça no exercício de sua função”, proferidas pelo oficial de justiça do TJDF, Gerardo Alves Lima Filho e pelo diretor de informática do TJGO, Anderson Yagi Costa.

À tarde, o primeiro a ministrar a palestra foi o oficial de justiça federal lotado no TRT da 9ª Região, Carlos Batista Júnior.Ele abordou o processo eletrônico e a atuação do oficial de Justiça. “Vivemos em um mundo em alta velocidade onde o real e o virtual se encontram. Vivemos a era da instantaneidade. A entrega da justiça não poderia estar em descompasso com essa nova realidade. Hoje, as palavras de Rui Barbosa são ainda mais atuais: ‘Justiça lenta equivale a nenhuma Justiça’ ”, salientou.

A carreira do oficial de justiça, segundo ele, evoluiu de um agente de força quente que se deslocava a pé ou a cavalo, para um comunicador de atos processuais e, atualmente, para um operador de recursos digitais e inteligência da informação. Para ele, o oficial de justiça representa o encontro do real e do virtual na administração da Justiça.

Em seguida, o fundador do Projeto Social Anjos das Ruas e coordenador do grupo Guardião do Amor Maior, Fernando Bacelar, falou sobre o tema “Não falta amor, falta amar: a empatia pelo outro e o poder das palavras”. A palestra envolveu e emocionou os congressistas. A chuva de balões de coração surpreendeu e reforçou a missão dos oficiais de justiça em levar a justiça até o cidadão de forma clara e usando a empatia.

Na sexta-feira, o conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Valdetário Andrade Monteiro e o juiz Clauber Costa Abreu,da comarca de Goiânia, debateram sobre o Poder Judiciário e a Resolução n°219/2016 do CNJ: perspectivas e desafios. Depois, o oficial de justiça do TRT, Marcelo Araújo de Freitas, abordará a profissionalização da comunicação do oficial de justiça.

A psicóloga e oficial de justiça do TJGO, Lorena Rodrigues Lourenço, falou sobre o impacto do trabalho na saúde do oficial e abordou as pesquisas científicas que foram realizadas em diferentes estados brasileiros sobre os riscos psicossociais que circundam o trabalho do oficial de justiça. “Os resultados das pesquisas têm demonstrado que o trabalho pode ser fonte de sofrimento e adoecimento, contribuindo para o aparecimento ou desenvolvimento de psicopatologias como transtornos de ansiedade e depressão”, frisou.

O juiz auxiliar da CGJGO, Aldo Guilherme Saad Sabino de Freitas, tratou sobre as atribuições do oficial de justiça no Novo CPC em sua palestra. A oficial do TJPA, Asmaa Abduallah Hendawy, encerrou as palestras abordando o tema “O oficial de justiça como auxiliar na execução da política pública de solução consensual de conflitos”.

Matérias relacionadas
CoronavírusNotíciasSTJ

STJ autoriza citação por WhatsApp desde que comprovada identidade

Há mais de um ano convivendo com a pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) a rotina dos Oficiais e Oficialas de Justiça tem…
EventosNotíciasTJGO

Oficiais de Justiça são ouvidos pelo SINDOJUS-GO sobre projeto de reestruturação das comarcas

Você precisa iniciar uma sessão de usuário para visualizar esta página. Por favor, Faça login. Você ainda não possui uma conta de…
FESOJUSNotíciasVacinação

Vacinação prioritária: tudo o que você precisa saber!

Reprodução: FESOJUS-BR Veja aqui o vídeo da reunião citada no e-mail entre o interlocutor do Ministério da Saúde, Dr. Laurício Monteiro e os representantes da FESOJUS-BR, João Batista (presidente) e Luiz…
Inscreva-se no nosso informativo virtual

fique por dentro das novidades e receba nossa revista eletrônica mensal