ComunicaçãoEleiçõesEspecial

SINDOJUS-GO esclarece sobre prisão perto das eleições

1 Mins read

Conhecido como imunidade eleitoral, o Código Eleitoral contém regras que garantem o direito ao voto e o exercício da democracia para eleitores(as) e candidatos(as). O objetivo principal é evitar o impedimento da liberdade do voto de uma pessoa por parte de outra(s) pertencente(s) a grupos políticos quem venham cometer abusos contra eleitores(as). As regras estão valendo desde o dia 27/09/22 até 48 horas depois do primeiro turno.

De acordo com o Código Eleitoral – Lei 4.737/1965, art. 238, as autoridades estão vedadas a prender ou deter durante o período entre 5 dias antes e 48 horas depois da eleição eleitores ou eleitoras, bem como membros das mesas receptoras (mesários) e os fiscais de partido, durante o exercício de suas funções.  Caso haja de fato a necessidade de prisão este(a) será conduzido(a) a uma juiz(a) para analisar a regularidade do fato; e se irregular, a prisão será cancelada e quem mandou prender será responsabilizado(a).

Contudo, existem 3 situações que excetuam esta proibição sendo elas sentença criminal condenatória por crime inafiançável, flagrante delito e desrespeito a salvo-conduto.

De acordo com a lei, o artigo 302 esclarece que será considerado flagrante quando o indivíduo “for encontrado cometendo o crime ou infração, acabou de cometê-la, for perseguido logo após situação em que se presuma haver cometido crime, ou, for encontrado com elementos ou instrumentos como armas, que indiquem possibilidade de ter sido autor de crime”.

O salvo-conduto, previsto em seu artigo 235, garante a liberdade de voto e busca evitar que o(a) eleitor(a) sofra violência moral ou física por motivo de violação ao direito de voto. Aquele(a) que desobedecer a ordem de salvo-conduto poderá ser preso por até 5 dias, sendo flagrante ou não. 

Se você tem interesse em conhecer o código penal de maneira mais abrangente, acesse o link do Planalto (Código Eleitoral).

Matérias relacionadas
ComunicaçãoDefensoria PúblicaEspecial

SINDOJUS-GO cumprimenta novo Defensor Público-Geral de Goiás

O Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores do Estado de Goiás – SINDOJUS-GO, entidade sindical de representação do Oficialato de Justiça Avaliadores…
de outros sitesEspecial

Voto feminino no Brasil

O voto feminino no Brasil foi uma conquista que se consolidou no ano de 1932, por meio de um novo Código Eleitoral,…
ComunicaçãoEspecialEventosNovembro AzulOutubro RosaProjetos e campanhasTJGO

SINDOJUS-GO e TJGO realizam ato em alerta para prevenção de câncer - Outubro Rosa e Novembro Azul

O SINDOJUS-GO, representado por sua diretoria, em parceria com o TJGO, realizou um movimento estadual para alertar sobre a prevenção do câncer…
Inscreva-se no nosso informativo virtual

fique por dentro das novidades e receba nossa revista eletrônica mensal